Arquitetura Intencional – uma Arquitetura sem Limites – um Futuro para a Internet

architecture-and-the-built-environmentTodo o “software” tem uma arquitetura, um “design” e uma estruturação que obedecem a um conjunto de regras. “Arquitetura intencional” é o nome que podemos dar a uma forma de desenvolvimento de “software” que permite criar um outro cada vez mais complexo. Esta designação tem muito a ver com a natureza comportamental do ser humano e com a sua mente.

Cada um de nós tem motivações diferentes para fazer o que nos preenche o dia a dia, seja na nossa vida pessoal, seja na profissional. As nossas motivações criam por sua vez necessidades específicas.

Na área do “software”, as necessidades, ou requerimentos, que vão surgindo encontram-se todas interligadas e cada uma vai influenciar todas as outras. Dependendo da situação e da responsabilidade do seu cargo, um arquiteto de “software” terá uma séries de questões com as quais lidar.

A arquitetura intencional deveria permitir que se lidasse com essas questões de acordo com as necessidades iniciais. Utilizando estes procedimentos, pode dividir-se cada um destes requerimentos específicos numa sequência de pequena parcelas de código. Desta forma, dois requerimentos diferentes poderão ter duas sequências de parcelas, em que algumas são comuns a ambos. O programador terá, assim, um acesso facilitado às parcelas necessárias para seu trabalho específico.

Em arquitetura de “software”, a “arquitetura” é o processo de passagem das motivações para os requerimentos e, por fim, para as ações. A arquitetura intencional permite que isto se faça sem falhas, através de uma série de princípios:

  • A contenção, ou confinamento, que mais não é do que um aglomerado de termos com valores associados, cria a ação.
  • O fluxo de contenção, que é uma sequência de contenções.
  • O valor de transferência produz os resultados desejados no último confinamento da sequência.
  • E, finalmente, o “background” – um fluxo de computação através dos confinamentos produz o “background” para aceder ao confinamento seguinte.